Comportamento autodestrutivo: entenda mais

Em algum momento você ou alguém ao seu redor, seja um parente ou amigo, já adotou algum tipo de comportamento autodestrutivo, ou a autossabotagem, como alguns preferem se referir a esse problema.

 

Mas, afinal, o que é o comportamento autodestrutivo?

A expressão é autoexplicativa: o comportamento autodestrutivo é quando a pessoa adota um ou mais hábitos que provocam danos a si própria, sejam eles físicos ou psicológicos, alterando sua saúde ou rotina.

 

comportamentos autodestrutivos

 

Como o comportamento autodestrutivo surge?

O hábito autodestrutivo costuma surgir de maneira inconsciente, na maioria das vezes. Isso quer dizer que a pessoa não consegue notar rapidamente que está adotando um comportamento que lhe prejudica.

Geralmente, quem passa a ter hábitos nada saudáveis faz isso como uma maneira equivocada de lidar com adversidades e superar dificuldades de modo imediato.

Um exemplo bem simples é quando uma pessoa foi demitida e se vê diante da difícil situação de tentar se manter financeiramente, mas não consegue um novo emprego logo.

Para lidar com esse problema, ela começa a beber demais, pois o álcool pode lhe proporcionar um prazer momentâneo ou então ajudar a esquecer suas dívidas e momento de crise.

Neste caso, assim como em todo comportamento autodestrutivo, há uma grande possibilidade de esse mau hábito se tornar um padrão na vida da pessoa, não solucionar seu problema inicial e ainda gerar outros significativos.

Muitas vezes, se autodestruir pode trazer problemas no âmbito profissional, social e familiar, inclusive à própria saúde física, desenvolvendo doenças que precisam de tratamentos mais complexos.

Em situações um pouco mais complexas esse tipo de hábito pode se encaminhar para uma depressão, que tem como um dos seus principais sintomas o constante pensamento de morte e suicídio.

 

Tipos de comportamento autodestrutivo

Abuso de drogas: o alcoolismo é o tipo de autossabotagem mais comum e lembrado quando se fala no assunto. No entanto, também há casos clássicos como o uso abusivo de substâncias lícitas (tabagismo) ilícitas e remédios;

– Compulsão alimentar: comer demais o dia todo também é uma forma de autodestruição. É fácil identificar esse hábito, já que a pessoa tende a comer muito o dia todo, geralmente de forma rápida, demonstrando um alto grau de ansiedade;

– Automutilação: é quando a pessoa provoca dor a si mesma. Casos mais comuns são de pessoas que utilizam objetos cortantes para se machucar.

 

Pessoas mais suscetíveis a ter comportamentos autodestrutivos

– Quem passou por alguma transformação em sua vida, seja profissional ou pessoal, que lhe tirou da zona de conforto;

– Aqueles que vivem em constante situação de estresse e ansiedade, inclusive que passaram por alguma experiência traumática, como ser vítima de violência doméstica.

 

Como corrigir padrões autodestrutivos

– Aprenda a lidar com erros e o novo: errar e viver algo novo não é motivo para sofrimento eterno e para se autodestruir. Encare essas ocasiões como oportunidades de evolução;

– Atente às emoções: saiba identificar sentimentos e procure se desvencilhar de comportamentos autodestrutivos assim que identificá-los. Caso seja preciso, procure a ajuda de um psicólogo para isso.

 

Você também poderá se interessar por…

>> Ansiedade na juventude: o que você precisa saber

>> 7 sinais para procurar um profissional de Saúde Mental

>> Viajar para combater a depressão