Depressão – Causas, Diagnóstico e Tratamento

Causas da Depressão

A depressão é uma doença mental e alguns traumas e situações podem desencadear o mal, como uma separação ou falecimento, por exemplo. Contudo, a tristeza, por si só, não é doença. O luto, por exemplo, é um processo normal, até mesmo saudável, pelo qual se passa após a perda de um ente querido. Caso a situação se prolongue e for debilitante, aí sim é importante procurar um médico para depressão, o psiquiatra.

Porém, as causas da doença também podem ser fisiológicas. Pesquisas apontam, inclusive, que o fator genético pode ser determinante para o desenvolvimento ou não por um indivíduo. Os portadores apresentam um desequilíbrio químico no cérebro, com produção reduzida, ou até mesmo nula, de certos neurotransmissores. Ele pode ser genético ou desencadeado pelo uso prolongado e abusivo de drogas e álcool.

Algumas modificações na anatomia cerebral também são causas da depressão. Algumas doenças, como o AVC e a esclerose múltipla, podem provocar estas alterações, além de deixar sequelas que contribuem com o fator social da doença.

Na entrevista com o Dr. Valentim Gentil Filho, no Canal Livre, saiba mais a respeito das causas, diagnóstico e tratamento para a depressão.

Sintomas de Depressão

Não existe apenas um tipo de depressão: esta doença tem uma série de subclassificações. Cada uma delas faz com que sintomas diferentes se manifestem. Os sintomas de depressão profunda são os mais conhecidos: tristeza constante e debilitante, sono em excesso, perda de peso devido à falta de apetite, entre outros.

Há também a depressão bipolar, na qual o paciente alterna fases de euforia e de tristeza profunda. Já os sinais de depressão atípica são aqueles que geralmente não ligamos à doença, como um aumento do desejo sexual, do apetite e da energia para níveis anormalmente altos.

Fatos corriqueiros também podem fazer com que um indivíduo demonstre sinais de depressão. A doença pode ser sazonal, aparecendo apenas na mudança das estações, principalmente no outono e no inverno. Já a depressão pós-parto acontece, como o próprio nome diz, logo depois que a mulher dá à luz. A paciente acometida pela doença pode desenvolver sintomas de depressão profunda, além  de rejeitar o bebê recém-nascido.

De modo geral, uma mudança brusca de atitudes e comportamentos a um nível que compromete atividades cotidianas deve fazer soar o alarme. Nestes casos, o paciente deve buscar um psiquiatra, médico para depressão.

Em outra entrevista, o o Dr. Valentim Gentil Filho, no Canal Livre, volta a abordar informações a respeito da depressão, como as causas, diagnóstico e tratamento.

Tratamento para Depressão

Muitas pessoas que apresentam os sintomas se recusam a aceitar o diagnóstico e buscar tratamento devido ao estigma ainda ligado à doença.

Mas não há o que temer: as longas internações em clínicas psiquiátricas ficaram nas décadas anteriores à nossa, hoje já se reconhece a importância do apoio de família e amigos no tratamento para depressão.

A abordagem mais utilizada é a prescrição de antidepressivos por um médico para depressão juntamente com a terapia cognitivo-comportamental, ministrada por um psicólogo. Assim, a doença é tratada em ambas as suas frentes, social e fisiológica.

Lembre-se: por ser uma doença crônica, o tratamento é longo. Logo no início, o tratamento demanda ajustes, principalmente na medicação.

Na Apoio Clínica, nosso tratamento é humano e acompanhado por especialistas que buscam o bem estar do paciente.

identificar a depressão

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja também…

>> As particularidades da depressão em idosos

>> Benefícios do Exercício Físico no Tratamento para Depressão